Friday, September 22, 2006

Curta metragem de baixo orçamento

1 - Breve descrição dos personagens
John Stuglia: homem de 23 anos, alto, cerca de 1,87, cabelos encaracolados, olhos verdes, moreno e um pouco acima do peso. Recém chegado a uma terra distante, ainda olha tudo com olhos de criança. Ainda acha estranho o fato de todos o medirem em qualquer lugar que passe, todos o olham de cima abaixo e quase sempre têm um comentário velado a fazer para os amigos. Veste calça jeans, tênis e uma camisa do Guarani Futebol Clube. Característica peculiar de nosso protagonista é a capacidade de apaixonar-se em segundos pelas mulheres que vê na rua, sempre seguido da frase, em pensamento: essa eu casava.

Seu Augusto: senhor de uns 50 anos, cabelos grisalhos e curtos, de fala rápida e uma gentileza sem tamanho. Proprietário de um café na zona universitária dessa terra distante, passa horas a faalr sobre como cativar sua clientela, coisa das que mais preza na vida. Dependendo do cliente, até oferece algumas cervejas por conta da casa e senta-se à sua mesa no final do expediente.

Essa eu casava: Garota de uns 20 e poucos anos, magra, estatura mediana, roupas simples e bem escolhidas, cabelo médio repicado e uma carinha que qualquer um gostaria de ver. Conversa baixinho enquanto seu olhar escapa algumas vezes da conversa com sua amiga.

A amiga: Pode ser qualquer uma, fica a critério do diretor.

2 - O roteiro
Camera parada no outro lado da rua, focada no letreiro da lan house. O protagonista chega e entra no quadro pela esquerda, passo apressado, carregando uma pasta. Após sua entrada na lan huse, a câmera atravessa a rua e pára filmando John ao balcão. O personagem desce as escadas rumo aos computadores e algunsinstantes após sua saída, a camera acompanha-o em mais um travelling. Jonh entra em seu e-mail, o processo é lento e o barato não é nada louco. Demora. Impaciência e a câmera passa para a frente de Jonh, de braços cruzados e olhar visivelmente irritado. Passam-se 10 minutos e não consegue abrir sequer um e-mail, a irritação aumenta. Fecha as janelas do computador, faz seu logoff e sai, com a câmera acompanhando-o mais uma vez. Corte para o lado de dentro do balcão, com o peonto de vista do protagonista. John mal olha para a cara do dono da lan house e paga com desgosto os 50 centimos mais mal usados de sua vida.

Sobe a trilha sonora como AC/DC - Inject the Venom, na parte que diz "No mercy for the bad if they want it...". Jonh atravessa a rua a caminha em direção a escada que dá acesso arua de cima e ao café de Seu Augusto. Travelling até o café vizinho e corte para dentro do café, com a câmera colocada no ponto de vista de Essa eu caso. Jonh entra, cumprimenta Seu Augusto e pede um pingo directo (café com um pouco de leite). Trocam breves palavras, pois John ainda está deveras irritado. Pega seu café, senta-se à mesa e repara em Essa eu casava. Era a terceira vez que a via por ali, sempre linda e radiante, mas nunca uma aproximação. A irritação dá lugar a uma certa esperança e a feição do personagem melhora. Mexe vagarosamente seu pingo enquanto divide seu olhar entre a televisão e Essa eu casava. Desce a trilha sonora e a câmera dá um passeio pelo bar, mostrando os homens que carreagm a máquina de cigarros e fazem sanduíches no tostex. Sobre trilha sonora com Lou Reed - Perfect Day. Camêra pára na porta do café, mostrando John de costas com a camisa 10 do Guarani desfocada e Essa eu casava e sua amiga conversando sobre amenidades, enquanto mexem nas pontinhas dos cabelos. A Amiga usa All Star de cano alto cor de rosa e deixa seu pé sobre a cadeira ao lado, enquanto Essa eu caso mais charmosa com seu cabelo e sua postura. A câmera flagra o momento em que Essa eu casava desvia seu olhar da Amiga e olha fixamente para Jonh, e vice versa, porém os olhares não se encontram, são fugidios. Jonh arrisca um sorriso e um olá, mas Essa eu caso desvia-se na hora agá. John dá mais umas olhadas na TV, acaba de fumar seu Marlboro 100´s e na volta pousa seu último olhar no rosto de Essa eu casava. Ri de canto de boca, a irritção já foi embora. Levanta-se, paga o pingo para Seu Augusto, conversa um pouco com ele e promete voltar mais tarde para beber algo mais forte. E talvez encontrar Essa eu casva por lá mais uma vez. Ouve-se ao fundo a conversa das duas amigas falando sobre qualquer coisa que envolvesse o nome de John. A camera acompanha sua saída em plano fechado no número 10 da camisa do Guarani. Seu andar é decido e descontraído, enquanto assovia Perfect Day acompanahdo da trilha sonora. A câmera pára e Jonh vira à direita descendo as escadas, a trilha sobre ao máximo no refrão, corta para os créditos.

Ouvindo: Racionais MC´s - Juri Racional

*Inspirado pelo filme Elephant, de Gus Von Sant, o melhor que vi esse ano e há muito tempo. Altamente recomendado.
*Essa obra é totalmente fictícia e o nome dos personagens foi escolhido ao acaso. Qualquer semelhança é mera coincidência. Conteúdo livre para reprodução, ou seja, se você for crazy enough, faz o filme e depois manda aí pra gente ver.

15 comments:

vinicius said...

oi que eu demorei pra conehcer isso aqui

Bigode said...

Não entendi...
Mas fica triste não, quase ninguém conhece mesmo.

dududamadalena said...

Ô tristão, gostei dos olhares fugidios. Bom texto, dá vontade de ler.

E aquele roteiro que voce fazia durante a aula e nunca me deixava ver? Posta aí.

Quem não postar é bixa. ahahah

Comi em um restaurante portuga na vila e fiquei pensando na viagem de vcs. Principalmente na sua.
Vê se faz muita putaria por aí. Bacalhau engorda...

Abraços,
Dudu

Anonymous said...

É isso aí, camarada! Nada como uma vida nova pra gente enterrar os nossos atrasos de vida... não é?

Tristinho said...

Quem mandou esse tal de John ser feio, né!?...hahahaha...
Abraço, frito!

Bigode said...

Dudu...
Aqueles textos estão no meu caderno dos Simpsons, que uesei durante todo o meu 1o e 2o anos. Um dia eu resagato eles e publico aqui.


Sobre o anonimo, continuo achando que, só por ser anomimo, é uma grande de uma bicha. Ou semelhante.

Para o tristinho, biha é o seu pai,

PS: Acho que, ao escrever isso, foi a vez que mais apertei o backspace na minha vida.

PS2: Adoro os comentários e só escrevo por causa de vocês, mesmo os anonimos. Não proíbo os coments anonimos, mas continuo achando-os bichas, gays ou semelhante.

PS3: God save the backspace.

lau2m said...

ha, quando eu percebi que tinha esquecido de colocar o nome, sabia que vc ia ficar putinho... calma que era eu o anônimo deste post, ok?

Bigode said...

ok then.

F. said...

Seu Augusto é tipo uma Dona Hermínia que vende breja e ainda manda saideira?

worm said...

Texto bacana, mas o destaque é a trilha sonora...

Anonymous said...

não gostei, muito hipócrita, ;)

worm said...

Quanto aos comentários, tenho que concordar contigo. É a pilha do blogueiro.

diogo said...

as vezes eu escrevo como anonimo, e dai?? pelo menos eu assino depois...

doigo

Bigode said...

Boa, Deogo, acho muito nom assinar. Mas não posso reclamar muito, já que quase não me identifico nesse blog. Portanto, quem quiser escrever como anônimo, assim seja. Mas se escrever com seu nome assinado, fica mais fácil trocarmos as impressões sobre o que está escrito.
Falar sobre hipocrisia é fácil, é uma palavra bastante genérica utilizada por muitas pessoas ao falar sobre algo que simplesmente não gostou. Será talvez hipocrisia criticar sem se identificar? Prefiro achar que é só uma pequena bobeira.

Anonymous said...

É só uma pequena brincadeira boba, com direito a preservação de privacidade. E falar de hipocrisia foi só a maneira encontrada para não ser um anônimo não identificável. Não remete ao post em si, mas ao leitor secreto, que se manterá anônimo.