Saturday, October 07, 2006

Crônica de um cozinheiro

Já não quero mais cozinhar o chilli. Parece-me que cortar a cebola já me faz chorar além da própria, parece que engulo algumas lágrimas que me vêm aos olhos não só por causa do enxofre que ela libera ao encontrar-se com minha afiada faca. Mas corto os alhos com gosto, com raiva, e sem, medida, enquanto preparo um molho à siciliana, agora sem mais pensar se te apetecem ou não. Experimento entre um corte e outro e o gosto adristingente parece limpar o gosto amargo de nossos últimos beijos. E enquanto limpa o gosto amargo, o alho limpa também meus pecados. Confesso que nessa estadia ainda não aprendi a cozinhar qualquer coisa à potuguesa. Mas continuo empenhado em aprender, saber se o bacalhau daqui é tão fácil de preparar como o daí. Não penso mais nos pedidos e nem nas exigências do chef, agora cozinho o que bem entendo, sem nunca experimentar antes de servir. Sirvo o que pedirem, mas sempre ao meu gosto. Sempre.

Ouvindo: Paulinho da Viola - Várias

4 comments:

Tristinho said...

"Ah, coração leviano
Não sabe o que fez do meu..."

Paulinho da Viola

worm said...

O interessante da coisa é isso mesmo. Eu curto ficar olhando a cara da pessoa ao experimentar a primeira garfada. Baseado sempre no cheiro, aspecto e na expressão facial das pessoas, acerto os melhores pratos.

As vezes dá até uma curiosidade de saber de primeira mão o gosto que deu uma peripécia (misturar manga, mamão com suco de pocam à alguns pratos), mas não dá, pq aí se perde de imaginar a cara do infeliz. No meu caso, por sorte, nunca matei ninguém e até rende uns elogios vez por outra.

worm said...

Esquecí.
Jamais faço prato sob medida para quem quer que seja. O prato é eu quem escolho, e se mexer no meu tempero, não sai comida nenhuma. Me nego.

Ainda bem que só cozinho em casa. Seria dificil agradar a clientela com esse gênio de cozinheiro rabugento.

lau2m said...

ah, hoje eu fiz macarrao com queijo azul... que aqui custa apenas 1 euro! ficou melhor q o seu! =P